quarta-feira, setembro 28, 2005

Outono/Inverno 2005

Atacado por uma profunda crise existencial bloguiana, decidi acompanhar a estação que nos brinda com a sua presença e mudar o fundo ao blog... pode ser q recomece a escrever algo... mas n prometo.

terça-feira, setembro 13, 2005

Nas terras de Sol

Fauno, cujo nome deriva do latim favere, "ser favorável", "benéfico".
http://www.nomismatike.hpg.ig.com.br/Mitologia/Fauno.html


Num recolhido jardim distante da dinâmica urbana, os ritmos biológicos restabelecem-se pelo contacto naturalista, pelo sentido de pertença, com o reencontro do meio primordial...

Burgos e sol.

O jardim de cactos sempre me fascinou...
Plantas de forma estranha munidas de protecções naturais - nem uma folha dança para quebrar o silencio... Nada mais para além da sua existência solitária. No seu conjunto este jardim cria uma zona de reserva, inóspita a estranhos, onde o sol torra o terreno lentamente e revela o terreno abandonado.
Salientam-se as vivências do lugar, a interacção dos seres, sem espaço para cenários acessórios.

A apropriação do espaço tudo tranforma.

O som surdo da circulação na VCI moendo o silencio tranquilizador do espaço...
Alcançamos o jardim. Verde... domina o verde contra o cinza claro dos burgos.
A conversa que vinha de trás continua. Descobrimos um cacto "simpático" que após toque tranforma o indicador num mini cacto tranpostável.

Com a vivencia o espaço ganha cor, gera sorrisos e gargalhadas. Analisam-se minuciosamente todos os cactos - que se revelavam mais do mesmo, no entanto a observação do diferentes especimens aguça o incisivo interesse ciêntifico em cada exemplar. Estáticos e silenciosos, os cactos deliciam-se com as nossas divagações no campo, breves enquadramentos envergonhados, percursos sem rota que se cruzam em olhares.

Para o lado oposto avistam-se os terrenos do Fauno, geograficamente desalinhado na sua concepção, efiente gerador de recantos rasgados a luz filtarada. Nomes em latim guiam-nos na nossa descoberta de lugares comuns aproximando a cada passo os faunos vaguentes.

Reencontrado o caminho seguimos em direcção ao sol, desprendidos.

Extendendo os minutos ao limite, saboreando todos os gestos e palavras expostas, ganho consciencia que o dia perfeito desenrola-se naturalmente sem planos ou imposições, consequencia da presente certeza de partilhar a minha existência.

segunda-feira, setembro 05, 2005

Segunda-Feira

Regenerado pela companhia dos amigos, sinto-me outra vez de bom humor após um dia de ponderada reflexão.
Jantar delicioso, boa disposição, conversas do arco da velha e companhia canidea... é quase a recompensa dos castigos do di-a-dia :) bisous e abraços a todos

para cortar este final tipo "carta de despedida" .. AMANHÃ COZINHO EU!!!!